Por que conteúdo estratégico ?




Estou preparando uma apresentação de slides para postar em breve, esclarecendo a importância de se ter uma estratégia de conteúdo profissional para quem quer ter sucesso online (e offline também!).

Abaixo estão dois que já estão prontos. Mas a estória tem de ser contada ainda... Estou organizando o conteúdo e a sequência dos slides.




A reinvenção constante: Já ultrapassamos o pós-modernismo



Já está virando cliché, mas para não perder a fala, vou também aderir: A única constante de nosso tempo é a velocidade das mudanças.

Veja, aqui, a parte 1 desse texto (Somos nós, brasileiros, criativos?).

Por isso, e sequenciando o post anterior sobre o livro que estou lendo, "Criatividade brasileira: Alex Atala, Fernando e Humberto Campana, Jum Nakao: Gastronomia, design, moda", vou citar a organizadora Andrea Naccache falando sobre um mundo de acelerada mutação:

"Não há casa ou solução universal. Nada satisfaz a todos. A cada nova geração, o cenário é alterado. A reinvenção constante é necessária. Por isso, a criatividade é, concomitantemente, um desejo e um imperativo de nosso tempo".

No meu caso, quando começo em um novo processo criativo - a bem da verdade ele nunca tem começo ou fim: é um fluxo, tenho diversos altos e baixos, achados e perdidos, saltos no vazio e aterrissagens no lodo. É assim mesmo e, por mais aparentemente frustrante e angustiante, em algum momento espero chegar ao insight. 

Alex Atala diz:

Para fazer um trabalho diferente do esperado, é preciso reservar aproveitar um tempo e aproveitar uma chance com as pessoas próximas: "Eu vou fazer algo diferente e vai ser bom. Seja na família, entre amigos, na empresa, é preciso se dispor a criar, conseguir espaço e partir do zero. Uma aposta."

Outra técnica (intuitiva) que uso para criar ou solucionar problemas é saltear entre diferentes ideias, possibilidades e mudar de ângulos (persperctivas). Quando começo a 'travar', começo a alternar atividades do dia-a-dia e, às vezes, pode parecer muito confuso, mas apenas mudar o foco de sua atenção para outras circunstâncias pode lhe abrir todo um novo horizonte perspectivo.

Também tenho mania de juntar coisas e ideias inesperadas, ir a lugares onde nunca fui, imaginar pessoas totalmente diferentes que conheço juntas em uma situação engraçada. Juntar todas essas coisas, imagens, objetos, pessoas, lugares, etc pode geralmente nos produzir a sensação de ridículo, mas isso é bom! Pode ser o sinal de que você está chegando lá! E é sobre isso que Atala fala:

A criação exige um certo 'desenquadramento', a capacidade de conviver com elementos 'desaforados', fora do lugar habitual; Seja no calendários de afazeres, na estética, eventualmente na técnica, e até nos relacionamentos. Alex [Atala] parece ter se acostumado a isso por sua história de vida. Para ele, depois de tantos anos percebendo-se diferente dos outros, experimentar os descaminhos é o cotidiano.





Outra coisa de que gosto é de aprender. Obter novos conhecimento, desenvolver novas habilidades, coordenar habilidades diferentes em um novo caminho. Aprendendo a editar vídeos, usei muito da minha habilidade de fazer storyboards (imagem acima) para apresentações de slides, e isso me foi muito útil para 'pensar' o movimento da linguagem do vídeo.

Por fim, a humildade. Ele é a dama da criação. Estar sempre aberto. Sempre buscando libertar-se de padrões. Em  outras palavras, se você estiver 'cheio de si', com o ego inflado feito um balão, não vai sobrar espaço para entrar mais nada! E sem alimentação de novas ideias, livros, conversas, etc, enfim, com os sensores abertos para o mundo, não pode haver criação!

Para fechar, deixo a mensagem do poeta americano Walt Whitman, que deixou uma grande obra se é que vocÇe me entende !? 


Máquina Alguma de Poupar Trabalho

Máquina alguma de poupar trabalho
eu fiz, nada inventei,
nem sou capaz de deixar para trás
nenhum rico donativo
para fundar um hospital ou uma biblioteca,
reminiscência alguma
de um acto de bravura pela América,
nenhum sucesso literário ou intelectual,
nem mesmo um livro bom para as estantes
— apenas uns poucos cantos
vibrando no ar eu deixo
aos camaradas e amantes. 


Walt Whitman, in "Leaves of Grass"
Fonte: Citador

Somos nós, brasileiros, criativos?





Nós, brasileiros, somos um povo criativo?

Se você espera que eu vá responder a essa questão, então nem adianta ler até o fim. 

O que vou dizer é que cada vez mais a criatividade está entrando nos meandros de nossas vidas, e temos cada vez mais de sermos inventores-solucionadores.

Somos desafiados diariamente a buscar novos conhecimentos, mesmo a contra gosto, nem que seja para pesquisar o tipo de celular ou iphone que estamos precisando. 

Aprender a reaprender, reaprender a reaprender todo dia?

Quem trabalha com criação volta e meia se vê diante de dilemas e impasses de ordem de metodologias de trabalho. Ou seja, em outras palavras e de uma maneira direta: como vou fazer uma nova tarefa que surgiu com o novo trabalho que tenho de entregar essa semana?

E alguns deles foram rapidamente respondidos no livro "Criatividade brasileira: Alex Atala, Fernando e Humberto Campana, Jum Nakao: Gastronomia, design, moda". 

A Editora Manole resume dizendo que os três profissionais encontram-se "em conversa franca sobre as condições do trabalho criativo no Brasil". Atala (chef gastronômico), os irmãos Campana (design de objetos) e Jum Nakao (Moda) conversam sobre inovação em suas profissões e no mundo contemporâneo, e fica claro como eles influenciam de forma decisiva em segmentos de atuação.

A psicanalista Andréa Naccache é a organizadora do livro. 





Acredito que o dilema de ter de reaprender seu trabalho diariamente não é uma 'regalia' exclusiva de quem vive da criação. Em muitas atividades e profissões estão aparecendo questões como essas uma vez que as inovações estão aceleradíssimas e as pessoas vêem-se diante 'novas novidades' o tempo todo.

Fico por aqui e vou postando conforme for lendo o livro.

Deixo o link do vídeo "Tempos de aprender, desaprender, reaprender ( 1)".


OBS/Dica: Não inseri o vídeo aqui porque aprendi que eles pesam muito a página, retardando o carregamento delas e isso não é bom para o Google... O Google gosta (esse é um dos quesitos que o buscador usa para ranquear melhor uma página em relação a outras) de páginas que carregam rápido. 

Notas da Semana do Empreendodorismo na PUC/RJ – Parte 3




Chegamos a terceira das três palestras enunciadas na primeira parte desse artigo.

A primeira foi da Benfeitoria.


Por fim, apresento o caso de tremendo sucesso que é o da “Queremos”

Tiago Lins, fundador, descreveu a Queremos como uma plataforma de crowdfundind (como é o caso da Benfeitoria - financiamento de projetos via doações online) só que nesse caso ela é específica para trazer artistas que não viriam tocar no Rio de Janeiro.

Na verdade, ele e o grupo fundador do Queremos nunca imaginou que havia tanta demanda para esse segmento de negócios. Tudo começou a banda White Snow veio tocar em São Paulo, mas não no Rio. Então Tiago se reuniu com um grande grupo de fãs, ligou para um site de compras coletivas (que ele não citou) para propor a abertura do crowdfunding, mas o site recusou a proposta, dizendo que não era comercialmente viável realizar a transação.

Assim, fundaram o ‘Queremos’ e conseguiram, através de crowndfunding, reunir a verba necessária para realizar o show da banda no Rio.

A seguir, o site ficou dois anos focando no mesmo nicho de bandas que o White Snow e, consequentemente, no mesmo público-alvo, colocando o nome de todos os que colaboraram para trazer as bandas em baners impressos nos shows.

Segunda fase do Queremos

Agora é a vez das bandas se mobilizarem juntamente com seus fãs. É que qualquer banda no Brasil ou no exterior vai poder usar a plataforma para levantar fundos e tocar em um determinado local.

Para obter sucesso, a banda vai depender da promoção que for feita e de como vai engajar fãs suficientes para que eles invistam no projeto de show de suas bandas preferidas.

Para tanto, a plataforma continua com o mesmo nome no Brasil e está recebendo um nome em inglês para o mercado norte-americano. O objetivo é se tornar um verdadeiro “marketplace” de artistas e produtores.

Foi Tiago mesmo quem levantou uma questão fundamental: isso vai funcionar para grandes shows ou apenas para shows mais segmentados? E respondeu dizendo que a Lady Gaga abriu 90 mil ingressos para o show no Rio (Nov/2012) e só vendeu 17 mil. Se tivessem usado a plataforma, poderiam provavelmente ter dimensionado melhor a quantidade de público e o valor unitário do ingresso.

Qual problema você quer resolver?

O subtítulo acima foi uma boa pergunta que Tiago fez. Todo empreendimento tem de ter uma proposição de valor que responda a pergunta: Qual problema você quer resolver?

No caso dele, a proposta da nova fase da plataforma Queremos é ajudar a gerir casas de show para minimizar riscos de prejuízos em shows. E ele completou: a gente nunca pensou nisso quando decidiu trazer o show do White Snow para o Rio…

As demandas existem. As vezes estão na cara da gente e não conseguimos ver, e muitas vezes elas estão ocultas e só aparecem através do processo de tentativa, erro e acerto.

No próximo post vou colocar a dica de três oportunidades/tendências de mercado inexploradas dadas pelos palestrantes. 


Veja, na primeira parte do artigo, o caso da Benfeitoria.

Veja, na segunda parte do artigo, os casos da ‘1 pra1’ e ‘ObraVídeos’.


Notas da Semana do Empreendodorismo na PUC/RJ – Parte 2



Veja a primeira parte: Benfeitoria –Dorly Neto


A segunda palestra da parte destinada a empreendedorismo na indústria criativa, dentro da da Semana do Empreendodorismo realizado na PUC/RJ, no dia 12/11/12, foi proferida por Guilherme Abrunhosa.


Fundador da ‘1 pra 1’ que é uma produtora de vídeos que conta a estória de pessoas comuns, documentando o cotidiano delas. Esse é um rompimento com os documentários tradicionais. Com a ‘1 pra 1’, cada pessoa, família ou grupo de pessoas passou a ter a oportunidade de ter seu próprio documentário.


Guilherme disse que acredita em vídeos profissionais para memórias pessoais, “porque hoje tudo passa tão rápido que precisamos registrar para não se perder no tempo”.


Para tanto, eles fizeram uma pesquisa de mercado e não encontraram nenhuma outra empresa fazendo isso.


Com o crescimento dos negócios, surgiu a oportunidade de fazerem o mesmo tipo de serviço só que adaptado para empresas. Então eles criaram a Obra vídeos.


Os clientes empresariais começaram a encomendar vídeos para dar voz a seus clientes ou funcionários, mostrando coisas interessantes que eles estão fazendo.


O objetivo dos serviços é trazer um olhar mais humano para o mercado corporativo. Hoje, as empresas têm de descobrir como falar com seus públicos de maneira genuína.


Um caso de sucesso foi a série de vídeos que fizeram para contar a estória do professor e consultor Falconi e seu grupo de estudos.


Ele também relatou a oportunidade que está em aberto para os empreendedores e que , no caso deles também, vêm obtendo muito retorno financeiro com as parcerias público-privadas.


Fique de olho na terceira e última parte desse artigo. Vamos relatar o caso de sucesso do QUEREMOS (Tiago Compagnoni), que já trouxe vários shows para o Rio de Janeiro através da doação de dinheiro por parte dos fãs.


Por fim, também colocaremos as três tendências de negócios que os palestrantes  apresentaram para 2013.


Você sabe de alguma tendência para 2013? Comente!

Notas da Semana do Empreendodorismo na PUC/RJ



A PUC/RJ participou da Semana Global doEmpreendedorismo promovendo palestras hoje, 12/11/12,  sob a responsabilidade do Coordenador da Graduação de Empreendedorismo, Luis Felipe Carvalho.


Na última parte, destinada a empreendedorismo na indústria criativa, três cases foram apresentados:


BENFEITORIA – Dorly Neto    
OBRA VÍDEOS – Guilherme Abrunhosa
QUEREMOS – Tiago Compagnoni


Hoje, vou postar o primeiro case.


CASO 1: Benfeitoria – “A única que faz financiamento coletivo sem cobrar comissão


Mediada por Rafael Zaremba, professor da cadeira de “Atitude Empreendedora” na PUC, a primeira palestra foi do fundador do site de Crowdfunding (financiamento coletivochamado Benfeitoria. Dorly Neto disse que sua plataforma online veio para acabar com aquela desculpa de “gosto dessa idéia/projeto, mas não sei como ajudar”.

As pessoas podem doar dinheiro, seus próprios serviços/especialidades ou bens (comida, refrigerante, equipamentos, etc).

Por exemplo, com a pacificação da comunidade Santa Marta (Botafogo – RJ), acabou-se a festa do dia das crianças que era realizada anualmente. Com isso, o organizador da festa aliou-se a Benfeitoria que abriu cotas de 10, 30, 50 e 100 reais. Depois decidiu abrir cotas de 200 reais, onde o doador ganharia em troca um tour pela comunidade, um pernoite e uma feijoada de uma conceituada cozinheira local.

Dessa forma, conseguiram 5 doações de 200, como também das outras cotas menores. Além disso, como uma nova forma de escambo online, pessoas que gostariam de fazer o tour turístico pela comunidade, também poderiam doar seus serviços ou refrigerantes (etc) para diminuir o custo do evento, e com isso ganhariam um passeio.

Dorly atentou para o fato de que várias barreiras de engajamento da sociedade estão caindo com o aumento da penetração da web, e isso acaba com aquela idéia de liderança individual (ou o mito de ‘salvador da pátria’), abrindo caminho para um mundo de realizações coletivas.

Baseado nisso, criaram o conceito “Liga de benfeitores” para o site.

Logo no início, a equipe do Benfeitoria percebeu que teria de rasgar o Business Plan, já que não estava conseguindo adesões/inscrições de projetos que buscavam crowdfunding. Eles perceberam que as pessoas não sabiam ‘desenhar’ (conceitualizar e desenvolver) seus projetos quando, então, decidiram ajudar as pessoas a fazer sem cobrar por isso. As pessoas que doam para os projetos no Benfeitoria é que estão ajudando a custear esses serviços.

Concluindo, as oportunidades que a web abre para projetos coletivos estão ainda na "idade da pedra" ...

Para os próximos dias vou postar as anotações das palestras OBRA VÍDEOS – Guilherme Abrunhosa e QUEREMOS – Tiago Compagnoni.

10 dicas para adoçao de animais no facebook




Taí uma bela peça criada pela ULA (União Libertária Animal.com).

A peça foi postada no facebook com um link com 26 perguntas para ver se você está apto para adotar um animalzinho. 

O link é: http://uniaolibertariaanimal.com/animais-domesticos/perguntas-antes-de-adotar

Processos criativos


Extraído do Facebook. Sensacional!



Estou pensando em fazer uma série sobre processos criativos.

O melhor, mais prático, mais gostoso de ler e mais inspirador livro sobre o assunte que já li é "Aha - 10 Maneiras de Libertar Seu Espirito Criativo e Encontrar Grandes Ideias" (Jordan Ayan, Negócio Editora). Acredito que ele esteja esgotado.




Link para comprar um usado na Estante Virtual.


Drops de Conteúdo



Estratégia de conteúdo e tráfego para seu blog e site




Essa é uma brincadeirinha que fiz para abrir o caderno de anotações novo, o terceiro desse ano.


Através dessas anotações já tenho um post rascunhado no caderno anterior sobre marketing e estratégia de conteúdo ou, se preferir, marketing estratégico de conteúdo. 


Veja posts sobre o assunto:



Marketing de conteúdo é o futuro-agora!

Empreendedor tem de escrever?

Blog: uma ferramenta de marketing fundamental para empreendedores - Parte II: Conteúdo


E se não estiver vendo o post abaixo:

O poder das estórias de valor

O poder das estórias de valor



Um blog, de forma resumida, é um diário online onde as entradas (posts) são publicadas com a mais recente sempre em cima das outras. Assim, as mais antigas vão ficando para baixo ou para uma página seguinte. 

Sem dúvida, um blog é também uma plataforma online que permite ao usuário adicionar novos conteúdos com frequência.

Considerando que os conteúdos são blocos de informação e/ou conhecimento, e que eles podem estar de alguma forma relacionados uns com os outros, então você pode concluir que está contando uma estória ao desenvolver seu blog. 


Não importa se essa estória ‘começa’ do meio, vai para o fim e volta para o início. A interrelação entre seus conteúdos conta uma grande estória geral.

No livro Inbound Marketing, David Meerman Scott diz:

“Agora nós podemos dizer nossas histórias diretamente. E, a melhor parte é que quando você conta uma história bem, você é encontrado por pessoas que estão interessadas em fazer negócios com você”.

Valor para as pessoas 


Um erro é pensar seu blog como uma ferramenta para anunciar seus produtos/serviços. Ele deve funcionar de forma a mostrar-se como uma fonte de informações úteis e relevantes.

Se você tem um conteúdo relevante, então está adicionando valor à vida das pessoas que frequentam seu blog, ávidos por mais informações, vindos ou não das mídias sociais. Isso permite criar familiaridade com seus produtos/serviços e gerar envolvimento, ouvindo sugestões e interagindo.

Acontece que em nosso mundo de excesso de informações, as pessoas precisam conhecer lugares onde se sintam familiarizadas, e confiem nas informações para se aprofundar em um assunto e tomarem decisões.

Por isso, mostrar e falar de seus produtos/serviços não vai construir uma presença online relevante. A diferença está em mostrar para sua audiência como você é apaixonado pelo que faz e dividir sua expertise e conhecimento com eles.


Quem pode blogar?

Todas as pessoas têm um conhecimento valioso para transformar em conteúdo. No entanto, blogar não é para todos. Transformar o seu conhecimento e sua experiência em posts relevantes pode ser mais complicado do que parece. Haja visto, vários blogues abertos e nunca mais atualizados.

Veja um pequeno check list que criei para você avaliar se vale a pena iniciar a nobre missão de blogar:

1. Você tem um conteúdo que é relevante para um segmento de público específico? O seu conhecimento, sua experiência são fundamentais, ao contrário de montagens e agrupamento de conteúdos colhidos aqui e acolá pela web.

2. Se tem esse conteúdo, sabe como transformá-lo em texto, imagens, vídeos, etc? Você consegue ‘por no papel’ o seu conhecimento, não importa se por escrito, em gráficos, slides ou falando para uma câmera?

3. Você consegue transformar casos que aconteceram com seus negócios ou clientes em estudo de caso? [Claro que solicitando permissão às pessoas envolvidas ou omitindo nomes e informações confidenciais] .

4. Você quer ser útil de verdade para as pessoas? Ser útil muitas vezes envolve generosidade. Seu blog permite fornecer recursos para seus vistantes além de seu conhecimento, como por exemplo, listas de outros blogs e sites úteis, e outras coisas que estão fora do seu blog mas que podem ser altamente relevantes.

5. Você quer realmente falar com seu público? Conteúdo relevante aumenta o envolvimento com seu público-alvo. Quanto mais você oferece de conhecimento, mais as pessoas certas vão se aproximando de você. Então, você está inclinado a assumir o desafio de manter um blog e encontrar essas pessoas?


Pesquisar é gostoso, mas exige persistência

Na verdade, muitos dos meus posts envovem experiência própria, testes que estou sempre fazendo, e uma pesquisa profunda em torno do que estou escrevendo de projetos em que estou trabalhando. 

Veja o círculo hermenêutico de pesquisa que criei para descrever como pesquiso vários assuntos ao mesmo tempo, e vou ordenando-os ou jogando fora o que se mostrou desinteressante circunstancialmente. 



Círculo da pesquisa

Escrevo este blog através de experiência própria com clientes, observações do mundo e pesquisas. Muita pesquisa e leitura... É dessa forma que trabalho criando conteúdos para mim e para outras pessoas. 

Você pode obter ajuda profissional para produzir seu conteúdo. Ele está dentro de você e o mundo espera para te conhecer melhor e, TAMBÉM seus produtos, serviços, atividades, trabalhos, projetos, etc.

O mais importante é ter em mente que um post por semana, se bem feito, com pesquisa e desenvolvimento profundos, pode ser suficiente para fazer a diferença.

Só depende de você AGIR. E AGORA! 



Comente! Compartilhe suas idéias! Envie um email!

top